quinta-feira, 31 de março de 2011

São Nicolau: antiga Colónia Prisional do Tarrafal vai ser restaurada


A Câmara Municipal do Tarrafal de São Nicolau vai restaurar a antiga Colónia Prisional local, a primeira criada pela ditadura portuguesa em 1931, com vista a transformá-la num espaço cultural.
O campo de concentração que foi "encenado" para a ilha de São Nicolau, em 1931, com a instalação provisória dos presos no Seminário/Liceu antes de iniciarem os trabalhos de implantação no Tarrafal dessa ilha situada entre as de São Vicente e Sal, é hoje um espaço em ruínas e nunca foi alvo da historiografia cabo-verdiana.

Orçado em oito milhões de escudos (cerca de 72,5 mil euros), o projeto prevê a transformação de uma das casernas em biblioteca, a cozinha num ciberespaço e o refeitório num centro interactivo, bem como a edificação de um marco para a gravação do nome de antigos presos políticos, um miradouro com iluminação pública através de energia renovável e a vedação e proteção de toda a área circundante às casernas.

Segundo o presidente da Câmara do Tarrafal de São Nicolau, António Soares, citado pela agência Inforpress, o projecto prevê também a criação de um espaço verde e de um circuito pedonal à volta da Colónia, bem como a restauração do antigo bebedouro da prisão que albergou, em 1931, os primeiros presos políticos portugueses.

António Soares indicou que o Instituto de Investigação e do Património Cultural (IIPC) cabo-verdiano é parceiro da iniciativa, salientando que a câmara continua à procura de mais e que o projecto vai ser apresentado ao Ministério da Cultura de Cabo Verde a 18 de Abril próximo, Dia Internacional dos Monumentos e Sítios.

Para uma melhor consolidação do projecto, disse António Soares, já estão a ser efetuados contactos para uma possível geminação cultural com o Tarrafal de Santiago, para onde foram transferidos muitos presos da Colónia Prisional de São Nicolau e onde é possível encontrar muita documentação.

"São Nicolau foi o destino escolhido, tanto pela Ditadura como pelo Estado Novo para a materialização do primeiro modelo de prisão especial, metodicamente concebido para o encerramento político", disse à Agência Lusa o historiador português de origem cabo-verdiana Vítor Borges.

Autor da obra "Campos de Concentração em Cabo Verde", editada em 2010 pela Imprensa da Universidade de Coimbra, no âmbito de uma investigação histórica para a sua tese de mestrado, Vítor Borges lembrou que o campo de São Nicolau foi concebido pela necessidade de internamento dos revolucionários que participaram na Revolta da Madeira, em 1931.

No entanto, o projecto de São Nicolau é abandonado e chega-se a estudar a ilha da Boavista, mas é a localidade de Chão Bom, noutro Tarrafal, o de Santiago, ilha onde se concentrava a administração colonial, que recai a oficialização da escolha, em 1936.

"A instalação de uma colónia penal no Tarrafal da ilha de Santiago representou uma das fortes medidas de endurecimento do regime na produção dos aparelhos repressivos de enquadramento e depuração política e ideológica da sociedade, tendo em conta a perspectiva regeneradora que se pretendia imprimir com a nova ordem de obediência política", acrescentou.
31-3-2011, 01:09:23
Fonte: Agência Lusa/Expresso das Ilhas

0 comentários:

Enviar um comentário